Login    
Cadastre-se
Responda nossa pesquisa de público, clique aqui.
Paulo Walter

Paulo Walter

Paulo Walter

 

Petrobras contrata FPSO para o campo de Sépia com início da produção previsto para 2021

A Petrobras assinou, no dia 13 de outubro, contrato com o Grupo Modec para o afretamento de plataforma do tipo FPSO que será utilizado no projeto de desenvolvimento da produção do campo de Sépia, oriundo do contrato de Cessão Onerosa, localizado no pré-sal da Bacia de Santos. FPSO (Floating Production Storage and Offloading) é a sigla em inglês que identifica uma unidade flutuante de produção, armazenamento e transferência de petróleo.

O projeto contempla a interligação de até 15 poços à plataforma e o início da produção é previsto para 2021. O FPSO será instalado a cerca de 250 Km da costa brasileira, em lâmina d’água de 2.140 metros e poderá processar até 180.000 barris por dia (bpd) de petróleo e 6 milhões de m³/dia de gás natural. A unidade será operada pela empresa responsável pela construção e afretada por até 21 anos.

Parte da construção será realizada no Brasil, nos moldes da experiência da Petrobras com outros afretamentos já realizados.

19/10/2017
Petrobras contrata FPSO para o campo de Sépia com início da produção previsto para 2021" addthis:description="A Petrobras assinou, no dia 13 de outubro, contrato com o Grupo Modec para o afretamento de plataforma do tipo FPSO que será utilizado no projeto de desenvolvimento da produção do campo de Sépia, oriundo do contrato de Cessão Onerosa, localizado no pré-sal da Bacia de Santos. FPSO (Floating Production Storage and Offloading) é a […]">

Aeroporto de Guarulhos vai receber investimentos de R$ 500 milhões em Centros de Manutenção da Latam e American Airlines

A Latam vai aportar R$ 130 milhões em um novo Centro de Manutenção e na ampliação de seu terminal de cargas, que se tornará o maior da empresa na América Latina.

Já a American Airlines vai investir R$ 320 milhões em seu primeiro hangar fora dos EUA.

Esses ativos devem estar operacionais já em 2018.

19/10/2017
Aeroporto de Guarulhos vai receber investimentos de R$ 500 milhões em Centros de Manutenção da Latam e American Airlines" addthis:description="A Latam vai aportar R$ 130 milhões em um novo Centro de Manutenção e na ampliação de seu terminal de cargas, que se tornará o maior da empresa na América Latina. Já a American Airlines vai investir R$ 320 milhões em seu primeiro hangar fora dos EUA. Esses ativos devem estar operacionais já em 2018.">

Petrobras busca renascimento com nova orientação estratégica

A Petrobras chegou ao fundo do poço, quebrando a máxima de um dos Rothschild do lado americano que disse lá pela década de 1950 que o mais lucrativo negócio do mundo era uma empresa de óleo e gás, mesmo que mal administrada.

O banqueiro e empresário americano não conhecia ainda o que cenário econômico local ruim, aparelhamento sindical e político, corrupção e incompetência técnica e gerencial, conjugados e aplicados por longo e ao mesmo tempo, são capazes de fazer.

O case empresarial de maior vergonha e repercussão na vida recente dos brasileiros parece que agora busca virar a página e fazer melhor, fazendo diferente, aprendendo com tanta maldade perpetrada ao mesmo tempo.

A empresa, em comunicado à imprensa, informou que seu Conselho de Administração, em reunião realizada ontem (10/08), elegeu Nelson Luiz Costa Silva para assumir a Diretoria de Estratégia, Organização e Sistema de Gestão da Companhia.

No comunicado a Petrobras apresentou o CV de Nelson:
Formado em engenharia naval pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo em 1977 e cursou o CEAG (Curso de Especialização para Graduados) da Fundação Getúlio Vargas em 1980. Tem uma carreira de mais de 40 anos, com experiência internacional de 25 anos residindo no México, Bélgica, Japão, Argentina, França e Inglaterra.
Ocupou durante 17 anos vários cargos executivos na Vale, entre eles diretor comercial global de Minério de Ferro, baseado no Rio, em Bruxelas e em Tóquio.
Também foi CEO da ALL-América Latina Logística em Buenos Aires e diretor geral da Embraer Europa, baseado em Paris.
Foi presidente mundial de Alumínio da BHP Billiton e seu diretor comercial de Minério de Ferro, Carvão e Manganês, baseado em Londres e posteriormente em Singapura.
Em 2009, Nelson Silva juntou-se ao BG Group como responsável pelas pessoas e pelos negócios do grupo na América do Sul, incluindo atividades de exploração e produção de óleo e gás em blocos operados e não operados no Brasil e na Bolívia, distribuição de gás e atividades de transbordo offshore no Uruguai.
Foi o chairman da Comgás de outubro de 2009 até o seu desinvestimento pela BG em novembro de 2012.
Manteve-se como CEO da BG no Brasil até a recente venda do grupo para a Shell.

Trata-se de notícia duplamente boa. A Petrobras cria uma diretoria importante para tirar a empresa do buraco e põe no lugar um profissional do ramo, sem dívidas corporativistas e e políticas, com o perfil para a posição mais que fundamental para a empresa retomar o caminho de sucesso empresarial e orgulho nacional do qual se desviou nos últimos 13 anos.

11/08/2016
Petrobras busca renascimento com nova orientação estratégica" addthis:description="A Petrobras chegou ao fundo do poço, quebrando a máxima de um dos Rothschild do lado americano que disse lá pela década de 1950 que o mais lucrativo negócio do mundo era uma empresa de óleo e gás, mesmo que mal administrada. O banqueiro e empresário americano não conhecia ainda o que cenário econômico local […]">

Geração de energia solar recebe investimentos superiores a 24 Milhões em Santa Catarina

Geração de energia solar recebe investimentos que passam de R$ 24 milhões em Santa Catarina

Essa reportagem faz parte de um caderno especial produzido pelo Jornal Notícias do Dia em comemoração aos seus 10 anos. Durante dez meses serão publicados cadernos com temas específicos. O escolhido para o mês de maio é tecnologia. Para ler o caderno na íntegra, basta acessar a versão digital do ND, disponível apenas para assinantes, na edição do dia 13 de maio.

24/05/2016
Geração de energia solar recebe investimentos superiores a 24 Milhões em Santa Catarina" addthis:description="Geração de energia solar recebe investimentos que passam de R$ 24 milhões em Santa Catarina Essa reportagem faz parte de um caderno especial produzido pelo Jornal Notícias do Dia em comemoração aos seus 10 anos. Durante dez meses serão publicados cadernos com temas específicos. O escolhido para o mês de maio é tecnologia. Para ler […]">

Mantida justa causa de metalúrgico que postou fotos de indústria no Facebook

A postagem de fotos da empresa em perfil no Facebook levou à dispensa por justa causa de um operador de máquina de corte da empresa gaúcha KLL Equipamentos para Transporte Ltda. A 5ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho (TST) não conheceu de recurso do trabalhador, que pretendia reverter a demissão por justa causa em dispensa imotivada para, assim, receber verbas rescisórias.
A KLL, localizada no Distrito Industrial de Alvorada (RS), se identifica como produtora de suspensões de alta tecnologia e componentes para veículos de cargas e passageiros. Segundo a empresa, o metalúrgico divulgou em seu perfil Facebook fotografias que mostravam seus processos produtivos e suas dependências, com detalhes dos equipamentos. O procedimento, segundo a KLL, teria colocado em risco seu sigilo industrial e sua segurança patrimonial.
A empresa afirmou que, segundo seu Código de Conduta, esse tipo de prática é expressamente vedado, e que o regulamento era do pleno e prévio conhecimento do empregado. Entretanto, o operário negou que tivesse conhecimento da norma interna, e disse que as imagens se destinavam a um trabalho de seu curso de graduação em Processos Gerenciais, parcialmente custeado pela empresa. Segundo ele, seu gerente o auxiliou em diversos trabalhos acadêmicos e tinha conhecimento das fotos, o que foi negado pelo gerente em audiência. O trabalhador admitiu que não havia recebido autorização expressa para tirar as fotos, mas alegou que postou as fotos em abril ou maio de 2013, e que a demissão só ocorreu em setembro .
O Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (TRT-RS) afastou o aspecto inofensivo das fotos, pois “a divulgação do sistema produtivo da empresa é o que basta para caracterizar o dano”. Segundo o TRT, as fotografias, “aos olhos de pessoas versadas no tema, em especial dos concorrentes, têm potencial de revelar questões cruciais do sistema produtivo que o Código de Conduta fez questão de proteger e que era do conhecimento do empregado”. Em relação à falta de reação imediata da empresa na aplicação da punição, o Regional registrou que, segundo testemunhas, a empresa tomou ciência do fato em 18 ou 19 de setembro, e a despedida aconteceu cinco dias depois.
No recurso ao TST, o metalúrgico sustentou que a empresa não demonstrou a prática de falta grave, e insistiu na falta de imediatidade. Porém, para o relator, ministro Guilherme Caputo Bastos, o TRT solucionou o caso com fundamento nas provas efetivamente produzidas no processo. Quanto à não aplicação imediata da punição, afirmou que o único julgado transcrito pelo trabalhador não cumpria os critérios do artigo 896, alínea “a”, da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). (Processo: RR-1353-44.2013.5.04.0241)

Fonte: Boletim Casillo Advogados

02/05/2016
Mantida justa causa de metalúrgico que postou fotos de indústria no Facebook" addthis:description="A postagem de fotos da empresa em perfil no Facebook levou à dispensa por justa causa de um operador de máquina de corte da empresa gaúcha KLL Equipamentos para Transporte Ltda. A 5ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho (TST) não conheceu de recurso do trabalhador, que pretendia reverter a demissão por justa causa em […]">

Aprendendo sobre EMBED

Manutenção.net – O mundo da Manutenção em um só lugar

11/03/2016
" addthis:description="Aprendendo sobre EMBED Manutenção.net – O mundo da Manutenção em um só lugar">

Reuso de Água – Norma Técnica ABNT NBR 13969:1997 define os limites

A Norma da ABNT NBR 13969:1997 tem por objetivo oferecer alternativas de procedimentos técnicos para o projeto, construção e operação de unidades de tratamento complementar e disposição final dos efluentes líquidos de tanque séptico, dentro do sistema de tanque séptico para o tratamento local de esgotos. As alternativas aqui citadas devem ser selecionadas de acordo com as necessidades e condições locais onde é implantado o sistema de tratamento, não havendo restrições quanto à capacidade de tratamento das unidades. Conforme as necessidades locais, as alternativas citadas podem ser utilizadas complementarmente entre si, para atender ao maior rigor legal ou para efetiva proteção do manancial hídrico, a critério do órgão fiscalizador competente.

Para adquirir a norma acesse http://www.abntcatalogo.com.br/norma.aspx?ID=003633

27/10/2015
Reuso de Água – Norma Técnica ABNT NBR 13969:1997 define os limites" addthis:description="A Norma da ABNT NBR 13969:1997 tem por objetivo oferecer alternativas de procedimentos técnicos para o projeto, construção e operação de unidades de tratamento complementar e disposição final dos efluentes líquidos de tanque séptico, dentro do sistema de tanque séptico para o tratamento local de esgotos. As alternativas aqui citadas devem ser selecionadas de acordo com as necessidades e condições locais onde é implantado o sistema de tratamento, não havendo restrições quanto à capacidade de tratamento das unidades. Conforme as necessidades locais, as alternativas citadas podem ser utilizadas complementarmente entre si, para atender ao maior rigor legal ou para efetiva proteção do manancial hídrico, a critério do órgão fiscalizador competente. Para adquirir a norma acesse http://www.abntcatalogo.com.br/norma.aspx?ID=003633">

Storytelling, todo mundo que faz apresentação devia saber o que é

Todo mundo, no mundo corporativo, sabe que uma boa apresentação ajuda e muito na avaliação do trabalho profissional.

Fazer um bom projeto e não apresenta-lo de forma correta é perder a oportunidade de colocar a cereja no bolo.

Storytelling é a arte de bem comunicar, ao longo dos tempos, muito antes de aparecer o power point.

Veja esse material que encontrei no SlideShare. Vale muito ver com calma e entender.

Apresentação Storytelling 101 from Enrico Cardoso
18/04/2014
Storytelling, todo mundo que faz apresentação devia saber o que é" addthis:description="Todo mundo, no mundo corporativo, sabe que uma boa apresentação ajuda e muito na avaliação do trabalho profissional. Fazer um bom projeto e não apresenta-lo de forma correta é perder a oportunidade de colocar a cereja no bolo. Storytelling é a arte de bem comunicar, ao longo dos tempos, muito antes de aparecer o power […]">

Pesquisa nacional: Práticas de Reparação – Ciclo de Vida Útil

Participe da pesquisa em andamento: PRÁTICAS DE REPARAÇÃO – Ciclo de Vida Útil


Free surveys by QuestionPro

04/03/2014
Pesquisa nacional: Práticas de Reparação – Ciclo de Vida Útil" addthis:description="Pesquisa visa mapear as práticas de reparação e acompanhamento de vida útil de diversos equipamentos. ">

E agora? Estou desempregado. Cadê os amigos?

Quem passou por transição de carreira conhece bem o sentimento de abandono e falta de norte que costuma nos acontecer nestas ocasiões.

O que fazer? Levanta, sacode a poeira e dá a volta por cima. Não há outro jeito. E os amigos? Sumiram?
É comum a gente observar que, assim num piscar de olhos, já não há tanta gente querendo falar com você, lhe receber, ajudar.

Concorda?

Mas que o inverso também é verdade. Muitos profissionais, quando estão empregados, não recebem fornecedores, não fazem network, não marcam presença em fóruns de discussão, sequer atualizam seus perfis nas redes sociais (que perda de tempo, não é mesmo!), não ajudam ninguém. Estão ocupados fazendo seu trabalho.

De repente, a demissão. Aí a pessoa passa a pedir ajuda aos amigos que não procurou nem atendeu, busca apoio nos fornecedor que ignorou, pede suporte do network de outros que se deram ao trabalho de construir uma boa rede de relacionamentos.
As “pessoas importantes” passam a condição de “pessoas oportunistas”.
Pedem help quando a situação lhes é desfavorável mas não se ligam na boa e segura máxima: quem não vive para servir, não serve para viver.

Abraços

Paulo Walter
paulo.walter@manutencao.net

28/01/2014
E agora? Estou desempregado. Cadê os amigos?" addthis:description="Quem passou por transição de carreira conhece bem o sentimento de abandono e falta de norte que costuma nos acontecer nestas ocasiões. O que fazer? Levanta, sacode a poeira e dá a volta por cima. Não há outro jeito. E os amigos? Sumiram? É comum a gente observar que, assim num piscar de olhos, já […]">

Empreender usando as boas práticas e as dicas de quem já teve sucesso e insucessos

Muito se discute por aí se empreendedorismo é uma arte, uma doença ou mesmo um carma.

Sem entrar no mérito, a dica de hoje é que quem tem empresa, grande ou pequena, pode se valer de material de qualidade que é disponibilizado no site da ENDEAVOR (http://www.endeavor.org.br/).

Lá tem artigos técnicos, e-books gratuitos e um monte de coisas que podem ser de extrema utilidade naquela horinha de tomar a decisão de ir ou ficar, desistir ou continuar, sair ou ampliar.

O site é parte de uma organização mundial que junta profissionais e empreendedores  do mundo todo, para compartilharem suas experiencias e aprendizados na vida emocionante do universo empreendedor.

Abraços
Paulo Walter

22/01/2014
Empreender usando as boas práticas e as dicas de quem já teve sucesso e insucessos" addthis:description="No site da ENDEAVOR tem artigos técnicos, e-books gratuitos, vídeos e um monte de coisas que podem ser de extrema utilidade naquela horinha de tomar a decisão de ir ou ficar, desistir ou continuar, sair ou ampliar.">

Internet: Caiu na Rede é peixe. Todos somos e estamos.

Veja que fantásticos são os números que a internet produz hoje.

50 Stunning Mobile Statistics from Vala Afshar

 

 

20/01/2014
Internet: Caiu na Rede é peixe. Todos somos e estamos." addthis:description="Veja que fantásticos são os números que a internet produz hoje. 50 Stunning Mobile Statistics from Vala Afshar    ">

O que são 60 segundos na internet

Veja no infográfico abaixo o que acontece na internet a cada minuto.

E ainda há aqueles que creem ser possível prosperar  nos negócios ou na carreira ignorando a rede mundial de informações.

20/01/2014
O que são 60 segundos na internet" addthis:description="O que acontece em um minuto na internet, no mundo todo?">

Manutenção inicia o ano com alta no índice de confiança apesar de queda na oferta de vagas

O índice que apura mensalmente a confiança dos profissionais da Manutenção, o IC-MRO, mostrou que em Janeiro há um crescimento no otimismo dos gestores desta área, tendo alcançado a segunda melhor marca em 13 meses (70,59), quando o recorde histórico foi de 83 pontos em julho do ano passado.

É de observar, em contrapartida, que houve uma queda abrupta nas vagas em aberto na área de Manutenção (somente 12,5%), quando em novembro de 2013 esse percentual era de 48%.

O relatório completo foi entregue hoje aos mais de 27 0 profissionais participantes, de 197 empresas, que preencheram a pesquisa que aconteceu entre os dias 02 e 10 de janeiro.

A pesquisa mostra ainda como está a disposição das empresas para assuntos como investimentos, produção, gastos com manutenção e faturamento.

O IC-MRO é obtido mensalmente pela RBM – Rede Brasileira de Manutenção, pelo site www.indicadoresdegestao.com

Abraços

Paulo Walter

 

13/01/2014
Manutenção inicia o ano com alta no índice de confiança apesar de queda na oferta de vagas" addthis:description="O índice que apura mensalmente a confiança dos profissionais da Manutenção, o IC-MRO, mostrou que em Janeiro há um crescimento no otimismo dos gestores desta área, tendo alcançado a segunda melhor marca em 13 meses (70,59), quando o recorde histórico foi de 83 pontos em julho do ano passado. É de observar, em contrapartida, que […]">

É a educação que faz a diferença, estúpido

Navegando pela internet, buscando por dados sobre eficiencia, gestão, novidades, acabei encontrando alguns dados do Banco Mundial. Fuçando (aprofundando) ou dando um zoom, como queira, achei algumas informações interessantes. São números a respeito de Educação, no caso Qualidade, comparado-se aos resultados sobre a produtividade dos trabalhadores.

Só para efeito de exercício, selecionei alguns poucos países. Lembrando que benchmarking se faz olhando para quem está melhor que a gente, ainda mais neste mundo de tão intensa competitividade.

Tire suas próprias conclusões olhando o gráfico abaixo.

Ah, Brasil, Brasil, quando é que tomaremos jeito?
Abraços
Paulo Walter

 

11/01/2014
É a educação que faz a diferença, estúpido" addthis:description="Navegando pela internet, buscando por dados sobre eficiencia, gestão, novidades, acabei encontrando alguns dados do Banco Mundial. Fuçando (aprofundando) ou dando um zoom, como queira, achei algumas informações interessantes. São números a respeito de Educação, no caso Qualidade, comparado-se aos resultados sobre a produtividade dos trabalhadores. Só para efeito de exercício, selecionei alguns poucos países. […]">

Norma ISO 55000 é publicada e agora é oficial

A Gestão de Ativos acaba de ganhar sua série de norma internacionais. A ISO 55000 foi publicada no último dia 9 de janeiro, com data oficial da primeira edição para 15 de janeiro de 2014.

A série é composta das Normas ISO 55000 (Visão geral, princípios e terminologia), ISO 55001 (Sistemas de Gestão – Requisitos) e ISO 55002 (Sistemas de Gestão – Guia para implantação da ISO 55001).

Este trabalho complexo, que levou anos para ser concluído, teve a participação de dezenas de profissionais e entidades de vários países. Por sua qualidade e abrangência,  torna-se de imediato uma excelente recomendação para todos os profissionais que lidam com Manutenção nas empresas de todos os tipos e em todos os lugares.

Para acessar (e comprar, se for o caso) o link do sitio da ISO onde as normas estão disponíveis é

http://www.iso.org/iso/home/store/catalogue_tc/catalogue_tc_browse.htm?commid=604321

Abraços

Paulo Walter

11/01/2014
Norma ISO 55000 é publicada e agora é oficial" addthis:description="A série é composta das Normas ISO 55000 (Visão geral, princípios e terminologia), ISO 55001 (Sistemas de Gestão - Requisitos) e ISO 55002 (Sistemas de Gestão - Guia para implantação da ISO 55001).">

5 Pontos na Gestão de Manutenção pela ótica da Integridade dos Ativos

O que há de novo e interessante no mundos da Manutenção, na Gestão de Ativos moderna?
Tem muita coisa boa e interessante aparecendo por aí, todos os dias.

Uma prática pouco disseminada, restrita ainda ao mundo do Óleo e Gás e das industrias de aviação e ainda as nucleares, é Gestão pela Integridade dos Ativos. O que ela tem de diferente? Inspeção como uma atividade separada da Manutenção de rotina.

Um cliente da minha empresa de consultoria, de uma grande siderúrgica, que tem novas unidades para colocar em operação, me pediu para desenhar um “mínimo minimorum” para que se estabeleça uma projeto de Gestão de Ativos perto do que se poderia chamar Melhores Práticas ou Gestão Classe Mundial, com abordagem pela integridade dos ativos.

Aceitei o desafio e escrevi o tal mínimo, levando em consideração uma politica clara de Gestão pela Integridade dos Ativos. Ou seja, uma forte presença e importância da inspeção na composição das atividades e em concorrência com as rotinas da manutenção.
Hoje, aqui neste post, vai um resumo do que chamo “guidelines” para quem tem a chance de montar sua Gestão de Ativos, nesta ótica, desde o momento em que o empreendimento nasce, tomando formas ainda em sua montagem:

1 – Manutenção como Função Estratégica

É aquela coisa da missão, visão, valores, objetivos, metas, etc. Se a Manutenção não é considerada estratégica para os objetivos empresariais, esqueça todo o resto. Basta olhar o organograma da empresa e voce saberá se a Manutenção é ou não valorizada naquele ambiente.

Não gaste tempo e dinheiro só para dar uma melhorada no power point. Essa enganação não tem mais audiencia.

2 – A Manutenção deve participar da adequação do projeto de instalação dos ativos.

Como? Criando mecanismos para assegurar que os projetos de instalação de ativos sejam planejados de modo a prever as condições operacionais locais, preservando a vida útil do ativo e reduzindo custos desnecessários de customização e manutenção.

Fazendo o que?
• Planejando a instalação: adequando o projeto às necessidades operacionais previstas
• Desenhando os processos para verificar a sinergia entre departamentos, relevando os pontos de como a área de manutenção e inspeção podem ser estratégicas ao fornecer informações sobre as condições de operação dos ativos
• Analisando riscos: quais são os principais fatores a considerar? Dimensionar os principais benefícios de uma análise de riscos completa, que inclua os aspectos de futuras necessidades de manutenção e adaptação dos ativos, nesta fase tenra ainda da elaboração dos projetos
• Atendendo as Normas técnicas brasileiras e internacionais: quem segue as normas já tem um bom projeto em mãos. Olho na adequação dos projetos de instalação dos ativos em conformidade às principais exigências impostas ou não na legislação.
• Faça benchmark das melhores práticas para avaliar a adequação do projeto e garantir redução de custos com manutenção

3 – Engenharia de Manutenção

Manutenção é engenharia. Alguma dúvida?

Como? Criando um setor que se ocupe do tema com exclusividade.

Fazendo o que?
• Inventarie seus ativos e controle a informação, que inclui toda a documentação. Construa o histórico dos equipamentos começando pela documentação, desde a sua fabricação até as condições de uso, sem esquecer do que impactam (ou não) os custos de manutenção.
• Organize-se para ter o controle da origem da causa da raiz do problemas. Evitar, contingenciar, minimizar. Três papavrinhas mágicas que fazem o sucesso de quem está realmente no controle dos fatos.
• Não faça tudo sozinho. Estabeleça as boas parcerias com fornecedores que pode lhe ajudar a aprimorar projetos de manutenção por confiabilidade, otimizando a operação dos ativos.
• Manutenção preditiva na medida certa. Verifique quais são as técnicas aplicáveis e veja quais são as vantagens e desvantagens de optar por este ou aquele modelo.
• O futuro é logo ali. Mesmo antes de começar a operação de um ativo é bom ter em mãos as ferramentas que permitam fazer o comparativo do custo x benefício entre reparo e substituição de componentes dos ativos físicos.

4 – Inspeção Baseada em Riscos (IBR)

Como? Criando um setor que se ocupe do tema com exclusividade.

Fazendo o que?

• Avaliando os elementos chave para implementar o conceito de IBR para ativos prioritários: metodologia, software, processos, benefícios e limitações
• Analisando os prós e contras da utilização do método FMEA para avaliação do riscos ambiental e de segurança nos processos de produção e utilidades
• Pesquisa regional de como a Inspeção Baseada em Riscos está sendo utilizada pelas empresas de classe mundial e como ela está contribuindo para a redução de custos e excelência operacional. Economize tempo e dinheiro aprendendo com o erros e acertos de quem já está nesta estrada.
• Avalie se há necessidade de implantação de um sistema de gestão e controle de perdas, identificando de que maneira a IBR pode auxiliar na melhor performance das utilidades e evitar potenciais desastres ou grandes falhas, tais como explosões ou vazamentos de porte.
• Construa bons procedimentos, instrumentalize o pessoal e cuide da disciplina. Procedimentos de inspeção eficientes e bem gerenciados (controlados) podem evitar aumento do tempo de paradas nos mais diversos processos.

5 – A Manutenção e os Stackeholders

A Gestão de Ativos hoje não pode pensar só da porta da fábrica para dentro. Há toda uma conjuntura e interessados externos a atender. Lembre-se deles: vizinhos, fornecedores, entidades reguladoras, órgãos governamentais, acionistas, consumidores.

Como? Tendo uma atitude constante propícia à mudança, com o olhar também para o mercado e a sociedade.

Fazendo o que?
• Acompanhe a evolução do estado da arte em tecnologia para Gestão de Ativos e em Inspeção Baseada em Riscos (IBR), atualizando-se sobre quais ferramentas de ponta estão disponíveis para auxiliar o gerenciamento de ativos no mercado local e o que esperar delas.
• Com as pressões da sociedade e governo é bom estar em dia com a crescente importância da área de SMS e como ela impacta o futuro da Gestão de Ativos baseada em Integridade de Ativos.
• Avalie constantemente os softwares e fornecedores de soluções existentes no mercado brasileiro.
• Considere investimentos constantes em diagnóstico remoto e tecnologias de monitoramento que possam impactar os resultados de suas atividades e as evidencias de suas ações.

Tem mais? Sim. Tem muito mais. Falaremos sobre estes assuntos em outras ocasiões.

Abraços

Paulo Walter

PS – Agradeço os comentários que nos ajudem nesta discussão.

 

07/01/2014
5 Pontos na Gestão de Manutenção pela ótica da Integridade dos Ativos" addthis:description="Uma prática ainda pouco disseminada, restrita ainda ao mundo do Óleo e Gás e das industrias de aviação e ainda as nucleares, é Gestão pela Integridade dos Ativos. ">

5 Pontos na Gestão de Manutenção pela ótica da Integridade dos Ativos

O que há de novo e interessante no mundos da Manutenção, na Gestão de Ativos moderna?
Tem muita coisa boa e interessante aparecendo por aí, todos os dias.

Uma prática ainda pouco disseminada, restrita ainda ao mundo do Óleo e Gás e das industrias de aviação e ainda as nucleares, é  Gestão pela Integridade dos Ativos. O que ela tem de diferente? Inspeção como uma atividade separada da Manutenção de rotina.

Um cliente da minha empresa de consultoria, de uma grande siderúrgica, que tem novas unidades para colocar em operação, me pediu para desenhar um “mínimo minimorum” para que se estabeleça uma projeto de Gestão de Ativos perto do que se poderia chamar Melhores Práticas ou Gestão Classe Mundial, com abordagem pela integridade dos ativos.

Aceitei o desafio e escrevi o tal mínimo, levando em consideração uma politica clara de Gestão pela Integridade dos Ativos. Ou seja, uma forte presença e importância da inspeção na composição das atividades e em concorrência com as rotinas da manutenção.
Hoje, aqui neste post, vai um resumo do que chamo “guidelines” para quem tem a chance de montar sua Gestão de Ativos, nesta ótica, desde o momento em que o empreendimento nasce, tomando formas ainda em sua montagem:

1 – Manutenção como Função Estratégica

É aquela coisa da missão, visão, valores, objetivos, metas, etc. Se a Manutenção não é considerada estratégica para os objetivos empresariais, esqueça todo o resto. Basta olhar o organograma da empresa e voce saberá se a Manutenção é ou não valorizada naquele ambiente.

Não gaste tempo e dinheiro só para dar uma melhorada no power point. Essa enganação não tem mais audiencia.

2 – A Manutenção deve participar da adequação do projeto de instalação dos ativos.

Como? Criando mecanismos para assegurar que os projetos de instalação de ativos sejam planejados de modo a prever as condições operacionais locais, preservando a vida útil do ativo e reduzindo custos desnecessários de customização e manutenção.

Fazendo o que?
• Planejando a instalação: adequando o projeto às necessidades operacionais previstas
• Desenhando os processos para verificar a sinergia entre departamentos, relevando os pontos de como a área de manutenção e inspeção podem ser estratégicas ao fornecer informações sobre as condições de operação dos ativos
• Analisando riscos: quais são os principais fatores a considerar? Dimensionar os principais benefícios de uma análise de riscos completa, que inclua os aspectos de futuras necessidades de manutenção e adaptação dos ativos, nesta fase tenra ainda da elaboração dos projetos
• Atendendo as Normas técnicas brasileiras e internacionais: quem segue as normas já tem um bom projeto em mãos. Olho na adequação dos projetos de instalação dos ativos em conformidade às principais exigências impostas ou não na legislação.
• Faça benchmark das melhores práticas para avaliar a adequação do projeto e garantir redução de custos com manutenção

3 – Engenharia de Manutenção

Manutenção é engenharia. Alguma dúvida?

Como? Criando um setor que se ocupe do tema com exclusividade.

Fazendo o que?
• Inventarie seus ativos e controle a informação, que inclui toda a documentação. Construa o histórico dos equipamentos começando pela documentação, desde a sua fabricação até as condições de uso, sem esquecer do que impactam (ou não) os custos de manutenção.
• Organize-se para ter o controle da origem da causa da raiz do problemas. Evitar, contingenciar, minimizar. Três papavrinhas mágicas que fazem o sucesso de quem está realmente no controle dos fatos.
• Não faça tudo sozinho. Estabeleça as boas parcerias com fornecedores que pode lhe ajudar a aprimorar projetos de manutenção por confiabilidade, otimizando a operação dos ativos.
• Manutenção preditiva na medida certa. Verifique quais são as técnicas aplicáveis e veja quais são as vantagens e desvantagens de optar por este ou aquele modelo.
• O futuro é logo ali. Mesmo antes de começar a operação de um ativo é bom ter em mãos as ferramentas que permitam fazer o comparativo do custo x benefício entre reparo e substituição de componentes dos ativos físicos.

4 – Inspeção Baseada em Riscos (IBR)

Como? Criando um setor que se ocupe do tema com exclusividade.

Fazendo o que?

• Avaliando os elementos chave para implementar o conceito de IBR para ativos prioritários: metodologia, software, processos, benefícios e limitações
• Analisando os prós e contras da utilização do método FMEA para avaliação do riscos ambiental e de segurança nos processos de produção e utilidades
• Pesquisa regional de como a Inspeção Baseada em Riscos está sendo utilizada pelas empresas de classe mundial e como ela está contribuindo para a redução de custos e excelência operacional. Economize tempo e dinheiro aprendendo com o erros e acertos de quem já está nesta estrada.
• Avalie se há necessidade de implantação de um sistema de gestão e controle de perdas, identificando de que maneira a IBR pode auxiliar na melhor performance das utilidades e evitar potenciais desastres ou grandes falhas, tais como explosões ou vazamentos de porte.
• Construa bons procedimentos, instrumentalize o pessoal e cuide da disciplina. Procedimentos de inspeção eficientes e bem gerenciados (controlados) podem evitar aumento do tempo de paradas nos mais diversos processos.

5 – A Manutenção e os Stackeholders 

A Gestão de Ativos hoje não pode pensar só da porta da fábrica para dentro. Há toda uma conjuntura e interessados externos a atender. Lembre-se deles: vizinhos, fornecedores, entidades reguladoras, órgãos governamentais, acionistas, consumidores. 

Como? Tendo uma atitude constante propícia à mudança, com o olhar também para o mercado e a sociedade. 

Fazendo o que?
• Acompanhe a evolução do estado da arte em tecnologia para Gestão de Ativos e em Inspeção Baseada em Riscos (IBR), atualizando-se sobre quais ferramentas de ponta estão disponíveis para auxiliar o gerenciamento de ativos no mercado local e o que esperar delas.
• Com as pressões da sociedade e governo é bom estar em dia com a crescente importância da área de SMS e como ela impacta o futuro da Gestão de Ativos baseada em Integridade de Ativos.
• Avalie constantemente os softwares e fornecedores de soluções existentes no mercado brasileiro.
• Considere investimentos constantes em diagnóstico remoto e tecnologias de monitoramento que possam impactar os resultados de suas atividades e as evidencias de suas ações.

Tem mais? Sim. Tem muito mais. Falaremos sobre estes assuntos em outras ocasiões.

Abraços

Paulo Walter

PS – Agradeço os comentários que nos ajudem nesta discussão.

 

 

 

07/01/2014
5 Pontos na Gestão de Manutenção pela ótica da Integridade dos Ativos" addthis:description="O que há de novo e interessante no mundos da Manutenção, na Gestão de Ativos moderna? Tem muita coisa boa e interessante aparecendo por aí, todos os dias. Uma prática ainda pouco disseminada, restrita ainda ao mundo do Óleo e Gás e das industrias de aviação e ainda as nucleares, é  Gestão pela Integridade dos […]">

As promessas de ano novo que já sei que não vou cumprir

02/01/2014
As promessas de ano novo que já sei que não vou cumprir" addthis:description="">

Os dez maiores erros para matar suas possibilidades de crescimento na carreira

Face a este blog, os contatos que faço durante os cursos que ministro e as consultorias que realizo e, principalmente, pela exposição que tenho nas mídias sociais, todos os dias recebo pedidos de ajuda de muitos profissionais em sua busca por recolocação no mercado.

A esmagadora maioria dos que pedem alguma indicação ou ajuda está desempregada. Não me lembro de ter recebido um CV, pelo menos nos 6 últimos meses, de alguém que estivesse empregado.

Grande parte destes profissionais apresentam-se como se tivessem sido surpreendidos por uma impensável situação poucos meses antes. Já observei que os profissionais com mais tempo de empresa são aqueles que mais tem dificuldades em lidar com a necessidade de uma nova colocação. Oferecer-se é algo para o qual não estão preparados. Um soluço na carreira, para muita gente, tem contornos de tragédia.

Esse comportamento geral, que é fruto de uma cultura de descuido com suas carreiras, me fizeram pensar em algumas questões, que me inspiraram a escrever este post aqui no Blog, com os dez piores erros que se pode cometer contra o crescimento na carreira:

1 – Não atualize seu CV
As pessoas, em geral, só lembram de atualizar seus CVs na hora em que se veem demitidas.
Atualizar seu resumo profissional é um bom exercício para ver se sua carreira está estagnada. Se passam os meses e nada há a acrescentar, é bom ficar de olho. Este é um mal sinal. Estagnação ou involução?

2 – Não estude
Muita gente credita exclusivamente na conta da empresa as despesas e o tempo necessário para aprender coisas novas, treinamentos, qualificação e até certificação.
Onde está escrito que a empresa tem que lhe dar tudo, de mão beijada? A iniciativa própria por mais conhecimento é  uma característica dos profissionais diferenciados.
Os profissionais de sucesso estudam até o penúltimo dia de suas carreiras.
Como diz a canção: “quem sabe faz a hora, não espera acontecer”.

3 – Não aprenda
Há uma crença generalizada por aí de que quanto mais alto o posto, menos há para se aprender. Afinal quem está no topo é porque já sabe muito. Errado. Chegar ao topo é difícil. Manter-se lá é muito mais.
Aprender não é o mesmo que estudar (vide erro 2 acima). Aprender é estar aberto a novos conceitos, estar disponível a trocar experiencias, ter uma atitude de busca das novidades técnicas e comportamentais.
Com todas as ferramentas e disseminação rápida do conhecimento, aprender significa estar ligado, conectado.

4 – Terceirize sua evolução de carreira
Para muitos profissionais a pior coisa que lhes poderia ter acontecido é terem ingressado numa grande empresa, dessas que tem tudo estruturado, como programas de treinamentos e planos de desenvolvimento das pessoas. Não que isso seja ruim, mas com alguém cuidando da sua evolução profissional, a tendencia é relaxar e aproveitar a viagem no barco que não é você quem conduz.
Lembre-se que a empresa tem seus objetivos, que podem, no longo prazo, não serem iguais aos seus.

5 – Não tenha tempo
Estar ocupado, no Brasil, é sinônimo de status. Pessoas ocupadas são importantes, vitais nas empresas. Lenda pura.
Conheço gente que se gaba de não poder tirar férias, de tão importantes que acham que são em suas funções.
Quem não pode dar um tempo (folga) ou não tem tempo de sobra, na realidade, é uma pessoa mal organizada e que concentra sobre si mais do que pode dar conta. As melhores empresas não gostam de ser reféns de ninguém.
Ter um tempo para pensar, pesquisar, abstrair-se da rotina, é fundamental para os profissionais de sucesso.

6 – Isole-se
Estar ocupado, no Brasil, é sinônimo de status. Pessoas ocupadas são importantes, vitais nas empresas. Lenda pura.
Conheço gente que se gaba de não poder tirar férias, de tão importantes que são em suas funções.
Quem não pode dar um tempo (folga) ou não tem tempo de sobra, na realidade, é uma pessoa mal organizada e que concentra sobre si mais do que pode dar conta. As melhores empresas não gostam de ser reféns de ninguém.
Ter um tempo para pensar, pesquisar, abstrair-se da rotina, é fundamental para os profissionais de sucesso.Para muitos profissionais a pior coisa que lhes poderia ter acontecido é terem ingressado numa grande empresa, dessas que tem tudo estruturado, como programas de treinamentos e planos de desenvolvimento das pessoas. Não que isso seja ruim, mas com alguém cuidando da sua evolução profissional, a tendencia é relaxar e aproveitar a viagem no barco que não é você quem conduz.
Lembre-se que a empresa tem seus objetivos, que podem, no longo prazo, não serem iguais aos seus.coisa que Há uma crença generalizada por aí de que quanto mais alto o posto, menos há para se aprender. Afinal quem está no topo é porque já sabe muito. Errado. Chegar ao topo é difícil. Manter-se lá é muito mais.
Aprender não é o mesmo que estudar (vide erro 2 acima). Aprender é estar aberto a novos conceitos, estar disponível a trocar experiencias, ter uma atitude de busca das novidades técnicas e comportamentais.
Com todas as ferramentas e disseminação rápida do conhecimento, aprender significa estar ligado, conectado.

 

Para muita gente credita exclusivamente na conta da empresa as despesas e o tempo necessário para aprender coisas novas, treinamentos, qualificação e até certificação.
Onde está escrito que a empresa tem que lhe dar tudo, de mão beijada? As iniciativas próprias por mais conhecimento é  uma característica dos profissionais diferenciados. Como diz a canção: “quem sabe faz a hora, não espera acontecer”.

 

– Porque as pessoas não cultivam seu network quando acham que estão seguras em um trabalho?
– Porque as pessoas, quando estão empregadas, acham que é perda de tempo dedicar um par de horas por semana para atualizar seus contatos e do a ver como

 

 

23/12/2013
Os dez maiores erros para matar suas possibilidades de crescimento na carreira" addthis:description="Face a este blog, os contatos que faço durante os cursos que ministro e as consultorias que realizo e, principalmente, pela exposição que tenho nas mídias sociais, todos os dias recebo pedidos de ajuda de muitos profissionais em sua busca por recolocação no mercado. A esmagadora maioria dos que pedem alguma indicação ou ajuda está desempregada. […]">

Otimismo ou Pessimismo para 2014 na Manutenção?

Os dados do infográfico abaixo são da última pesquisa do site www.indicadoresdegestao.com, que faz parte da RBM – Rede Brasileira de Manutenção.

No levantamento mensal, dentre as perguntas colocadas aos profissionais da Manutenção, duas são importantíssimas para sabermos a quantas anda o “termômetro”  de quem está a frente da gestão de ativos em todo o Brasil.

Observe-se que, mês a mês durante 2013, para os profissionais da Manutenção, as perspectivas de investimentos na empresa vem mostrando uma tendencia de melhora. O índice está baixo mas vem crescendo levemente de Maio até Dezembro.

E a há vagas na Manutenção? Em dezembro parece que a Manutenção parou pra balanço. Em somente pouco mais de 23% das empresas brasileiras há vagas em aberto.

09/12/2013
Otimismo ou Pessimismo para 2014 na Manutenção?" addthis:description="No levantamento mensal, dentre as perguntas colocadas aos profissionais da Manutenção, duas são importantíssimas para sabermos a quantas anda o "termômetro"  de quem está a frente da gestão de ativos em todo o Brasil.">
Converse no WhatsApp